Talvez

100_0638

Engraçado, isso, de como gostamos de tragédias. Das histórias tristes. Dos fatos que doem. Engraçado como o ser humano prefere desgraça. Para ter atenção, basta gritar que o mundo terá um final sanguinolento, bárbaro, ruidoso. Penso isso toda vez que vejo um filme com uma mensagem positiva, que os cri-críticos de plantão o acham ruim. Festejar o Futuro é uma coisa arriscada, eu reconheço, afinal, pode ser que dê tudo errado. O Futuro pode ser qualquer coisa, ao contrário do Passado, que já foi e nunca mais será, para bem ou para o mal. E qualquer coisa é o Caos absoluto. Uma coletânea amorfa de 0s e 1s em todas as combinações possíveis e impossíveis. É isso o que significa “todas as possibilidades”.

Talvez, no fundo, esse gosto pela desgraça é tédio. O tédio nos corrói por dentro e nos paralisa, então uma tragediazinha aqui, um trauma ali, ajuda a manter girando a roda do interesse. Aquela foto no Facebook, aquela mensagem no Twitter. Nada pessoal, amigos, apenas uma coisa que nos faça perceber que mesmo insatisfeitos com o que temos, ainda assim tem gente que vive pior. Que passa por perrengues mais sombrios. Que perto da vida terrível de quem não tem onde dormir ou o que comer, a nossa vida dá para se levar – e isso é pode ser uma ironia, é claro. Mas, afinal, quem disse que seria simples? Por outro lado, a tragédia do outro é a nossa redenção. E como se não bastasse, cultuar a derrota é a saída fácil. Você sabe que no final de tudo, todos os mortais tem o mesmo destino, então porque não queimar umas etapas e poupar a perda de tempo? Nosso tempo é o da cultura da pressa, do não ter tempo para nada, nem para viver.

Viver é para os corajosos, e coragem não é uma coisa fácil. Ter coragem é o mais difícil de tudo, sobretudo quando se olha para o Tempo e se dá conta de que no fundo, nada é importante, e que nada nos pertence, a não ser o Agora – a delicada fímbria que separa o que não pode ser mudado, das possibilidades infinitas.

Hoje, Agora, Presente. Sem olhar para trás, mas com a certeza de ter vivido tudo o que passou.

O Amanhã é para quem tem coragem.

E no fundo da caixa da menina lendária, a Esperança  sorri, verde e diabólica como todas as outras pragas de Pandora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s