Feira do Livro de Novo Hamburgo – 1

livros

_____________________________________

Há mais de uma semana, enviei um artigo (não este) para o Jornal NH, enfocando o tema “Feira do Livro de Novo Hamburgo”. O artigo não foi publicado e não sei se o será. Então, deixo com vocês a presente reflexão e uma série de outras três. Para garantir, pelo menos, que deixei clara a minha posição.

____________________________________

Todos os anos, nesta altura do calendário, Novo Hamburgo sofre uma ameaça: a não realização da Feira do Livro. A cada vez as razões são diferentes, mas no fundo todas elas têm a mesma origem: a noção de que Cultura é gasto e, não, investimento.

É bem verdade que muitas vezes a Feira passa em branco para muitos hamburguenses. O orçamento de divulgação do evento é baixíssimo. Ano passado, a redução foi tanta que levou a a realização da Feira no espaço da FENAC, durante a Mostratec. Na prática do público em geral, foi um evento quase tão virtual quanto o aparecimento de um Pokemon. Uma lástima, porque tivemos Charles Kiefer como patrono, um dos grandes escritores da Literatura Gaúcha da atualidade.

Mas é preciso prestar atenção: a Natureza detesta o Vazio. A natureza humana, desde que iniciou sua caminhada, sempre se fez acompanhar da arte das histórias. Das paredes de pedra à rede virtual, é fácil entender que se não investirmos naquilo que nossa comunidade entende por Cultura de qualidade, haverá uma cultura qualquer à espreita para tomar o espaço vazio que deixamos de lado.

Novo Hamburgo não pode abrir mão de sua Feira do Livro. Não pode abrir mão desse investimento no bem comum, na celebração da criação e do encontro positivo de seus habitantes. E precisa trazer a Feira de volta à praça pública, espaço democrático onde todo mundo passa. Abrir mão desse investimento, ou se arriscar a investir de maneira errada nessa época de crise, é comprometer um trabalho de décadas, tanto em direção ao Passado, quando em direção ao Futuro. É deixar um espaço vazio que não ficará vazio: será preenchido por não se sabe quais carências pessoais e sociais que um dia poderão nos custar muito mais caro ao bolso e às lágrimas, do que uma festa literária, aberta a todos, tão universal que reúne, inclusive, aqueles que não sabem que ela está a acorrer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s