Senha nova

img_2384-2

Devia existir uma maneira fácil de se relacionar com as coisas inteligentes. As impressoras, por exemplo. Devia ser assim: o você liga o aparelho e diz algo como “bom dia, cara impressora. Passei para informá-la que a senha do wi-fi mudou. Ela agora pinta o cabelo de padrão oncinha e se veste como Barbarella, naquele filme antigo, você conhece? Por que vocês não vão ali na sala ao lado, tomam um café juntas e, aproveitando a folga, você não atualiza a senha automaticamente? Obrigada.”

Devia ser assim. Mas não é. Se você tem wi-fi e uma impressora que se conecta ao PC por wi-fi, sabe como é.

Para a sua segurança, você atualiza a senha. Ou muda o sistema. Ou vai almoçar com a sua tia. O que for. Em todo o caso, quando você olhar para ela, haverá uma luzinha piscando e ambos aparelhos estarão de mal um com o outro.

Começou a inana.

Você liga, desliga, liga de novo. Aperta na “Configurações”. “Configurações Avançadas”. “Wirless”. Nada muda, a luzinha pisca, o diabo da máquina olha para você como gato angorá cheio de desprezo e o ignora. Você entra no sistema do PC, clica em tudo o que vê. Entra na rede. Baixa mil e um manuais, olha vídeos, lê dicas, e nada – nada! – do que você encontrar solucionará o seu problema porque é “só” apertar o “botãozinho ali, ó”, e ninguém imagina que você é tão tonto que não se deu conta disso.

Então, como nada mudou, você continua apertando, clicando, mexendo, desligando, desinstalando, instalando de novo, deixa entrar vírus, bactérias e fungos, perde a manhã, a tarde, o dia, não faz absolutamente nada de útil e finalmente, cansado, irritado, se sentindo culpado por não ter feito nada o dia inteiro, resolve jogar alguma bobagem da internet, seja paciência ou jogo de mata-mata (que geralmente é o que dá mais prazer, nesse momento, porque você imagina que o sujeito explodindo em pixels na tela é a sua impressora e isso faz um bem danado, descarregar a sua frustração, já que chutar a impressora só vai fazer doer o dedão do pé).

E daí, quando você está pronto para desligar tudo e ir embora – quando você desistiu – olha para o lado e, pimba! O sistema está flamante, funcionando como se nada tivesse acontecido, sem que você tivesse tempo para reagir ou anotar que droga de sequência, que botão apertou ou qual palavrão disse, que resolveu o problema (para da próxima vez poder ir direto ao assunto e não perder tempo). Você não sabe, não tem a menor ideia do que aconteceu. Mas a impressora sabe. Dentro dela pulsa um chip maldito que se diverte com a sua cara. A eletricidade corre por suas veias de silício e ela ri, gargalha em silêncio.

A você, só resta a hora extra, o ar condicionado e as desculpas, quando voltar para casa.

Isso, se ela não tiver batido um papo com o elevador, enquanto você não estava olhando, e agora ele está ali, no final do corredor.

À espreita.

À sua espera.

Sorrindo com antecipação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s