Janela antiga (Casa Pitanti – Novo Hamburgo)

Além do umbral, o tempo.

Cada dia passado, guardado além das janelas cerrados. Como num jogo de armar, os vidros refletem o céu, o passeio das nuvens e o vagar do Sol. Amarelinha de vidro. Embaixo o mármore antigo, em cima o céu.

Há um cinza esverdeado, como se as cores tivessem desistido. Saturação zero. Preto e branco intercalados (mas ali ao lado, as camélias rosa florescem ramalhetes).

O som do tráfego constante da estrada que sempre foi passagem de gente, correnteza de vidas, troveja como a maré na praia. Vai e vem, num fluxo interminável. Aqui dentro, abraçada pelas árvores do jardim, pelas janelas fechadas e o musgo, o rugido se esmaece. Quase silêncio.

Bela coisa são as janelas antigas das casas velhas, adormecidas atrás das folhas dos jardins, dos arbustos que florescem e deixam cair suas flores como presentes fugazes. Se pudéssemos abrir suas pétalas de madeira antiga e deixar entrar o sol, talvez os fantasmas dos dias idos se apagassem com as sombras e as paredes florescessem de novo com riso e amores, como se a primavera fizesse ali fazer morada novo.

Janelas fechadas e antigas: guardando o tempo, fazem a imaginação tecer novas histórias.

Anúncios

Um comentário sobre “Janela antiga (Casa Pitanti – Novo Hamburgo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s